CineCrôica - Regularsimpsons.jpg        Um filme de 65 milhões de dólares aplicados Deus-sabe-onde, que demorou quase dez anos para ser finalmente apreciado e que teve o roteiro refeito 158 vezes até que o produto final ficasse pronto. É assim que a família de olhos esbugalhados e pele amarela mais conhecida do universo chega às telas de todo mundo.

        Na história, Springsfield sofre dos efeitos da poluição e é isolada dos EUA pelo presidente Arnold Schwarzenegger e o bode expiatório é, claro, Homer Simpson. Assim, a cidade deseja matá-lo e as desventuras de Homer acontece em sua fuga e nas suas discussões em família.

        O primeiro lugar no ranking nacional deve ser o último para Os Simpsons, uma seqüência interminável de clichês da comédia que até fazem rir, mas que não fazem jus à inteligência que a família demonstrou desde 1987 na televisão americana.

         Piadas sem graça e fãs decepcionados. O balanço dos Simpsons só poderia ser pior se a curiosidade não fosse o principal motivo pelo qual as pessoas ainda vão ao cinema para conferir os blockbusters da temporada de verão americano que se aproxima de seu fim.

         No fim, muito alarde por pouca rosquinha. Um filme para fãs (que provavelmente, ainda assim, sairão decepcionados).

“Por que estamos pagando para assistir algo que passa na tv? Nós não somos idiotas! Ou melhos somos! E o maior idiota de todos é… Você [Apontando para  a tela]!”

Não concorda? Diz aqui porque!