CineCrôica - Regular         O Sr. Brooks é um homem como outro qualquer, com a pequena diferença de ser um magnata pai de família que acaba de ser mais uma vez reconhecido pela sociedade. Durante o dia, Brooks (Kevin Costner) é o Homem do Ano, durante a noite, pode ser reconhecido como o Assassino da Impressão Digital.O enredo apresentado é a síntese menos dramática que pode ser feita de Instinto Secreto. O filme é uma aplicação de fórmula em suas condições mais básicas, fazendo jus aos segmentos de histórias de serial killers sem realmente apresentar nada de novo.instinto-secreto.jpg

         Com um Kevin Costnet inspirado e que chega a exceder carga dramática, o filme se mantém amparado no carisma e credibilidade de seus atores. Willian Hunt, como Marshall, o alter-ego assassino de Brooks, rouba a cena e provoca risadas mesmo em momentos que não foram programados para as mesmas, brincando com o íntimo fatalista de cada humano em sua forma mais mórbida, mas analítica.Instinto Secreto também marca a volta de Demi Moore aos cinemas, como uma atormentada pobre policial rica que briga na justiça por seu divórcio, é perseguida por um antigo criminoso que prendeu e fugiu da cadeia e, de quebra, tenta pôr as mãos no Assassino da Impressão Digital.

         O desenvolvimento do longa é clássico, com encandeamentos previsíveis e que não refletem, em absoluto, a suposta genialidade dos planos postos em prática durante a exibição. A direçao de Bruce Evans peca tanto quanto seu roteiro, apelando para modelos pré-moldados de exposição de idéias e contextualização.

         Ainda assim, o perfil do filme é justamente aquele que atrai o grande público, mais interessado no puro entretenimento momentâneo que nas nuances cinematográficas apresentadas, prova disso é o título estar figurando entre os dez mais assistidos de praticamente todos os principais países em que foi exibido, incluindo os EUA. Sem inovações marcantes ou desfecho impressionante, Instinto Secreto é mais um produto pipoca de cinema, o melhor é consumir ainda quente e sem se preocupar com seu valor, fazendo valer o momento.

“Ela está escondendo alguma coisa…”

“Você acha?”

“Eu sei… E você também”

“Eu tinha esse medo desde que ela nasceu…”