CineCrôica Recomenda        De longe, a melhor investida da Disney nos últimos anos, Encantada chega aos cinemas exercendo real encanto entre os telespectadores de várias partes do globo. Com uma fórmula simples e, até mesmo, batida, Kevin Lima imprime sua marca e traz ao público uma versão nada usual de contos de fadas, engraçada, dinâmica e nonsense, feito que não conseguiu com o seu 102 Dálmatas.
        O clássico início de histórias ‘Disney-line’ de uma bela dama à espera de seu príncipe, em contato com seus amigos animais da floresta, sofre uma reviravolta até esperada frente à proposta: a garota vai parar em Nova York no dia de seu casamento, com vestido e tudo, seguida de perto encantada.jpgpor seu noivo, seu esquilo e, óbvio, a bruxa má. A fórmula teria tudo para dar errado, não fosse a decisão, inteiramente acertada, em manter toda a ‘pureza e ingenuidade’ dos personagens, bem como seus figurinos, em meio a maior megalópole do planeta. O resultado não poderia ser diferente: risos, risos e risos.
        Giselle (Amy Adams) seria a princesa de seu país, não fosse sua sogra Narissa (Susan Sarandon) que a pôs em um portal mágico que a leva a um bueiro numa das principais vias de Nova York. Ela é acolhida pelo advogado Robert (Patrick Dempsey) e sua pequena filha, enquanto espera pelo Príncipe Edward (James Marsden). No decorrer da trama, conversa com animais, cantorias, coreografias, espalhafatosos figurinos e muita magia podem ser vistos como se fossem uma realidade possível, sem noção alguma, mas possível, sempre com ar de improvisação, atingido apenas por belas atuações.
        Diferente de outras montagens, o filme não contém grandes apelos sonoros além da canção principal e o roteiro se mantém mais pela linha comédia romântica do que a usual aventura que marca os projetos Disney. Não existe muito de original na obra, mas a forma na qual os moldes se apresentam revolucionam e satirizam, com boa fé, os desenhos animados, resultando em um projeto sóbrio e arrasa-quarteirões.
        A princesa Giselle, vivida por Amy Adams cativou público e crítica, sendo indicada ao Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical. O filme também levou a indicação por canção original. Entretenimento certo.

E aí? Você gostou? Conta porque…

“Para onde vai mandá-la, Majestade?”
“Para um lugar onde nunca existiu essa história de felizes para sempre…”